V O Z

A cabo de inspiração de muitos poetas por aqui, estou a tentar “desmembrar” os meus poemas na sua estrutura. Não me está a sair nada bem, mas acho que vou lá com treino.


VOZ

Nos dias que passam,

Ninguém lhes dá vida,

Ninguém lhes dá cor,

Ninguém lhes diz nada.

 

Bombardeamentos das sensibilidades

Dão-nos cabo da espinha moralista,

E qualquer assalto às profundas verdades

Já é considerado uma obra surrealista.

 

Somos sangue na vida de esticada,

Sangramos a cultura dos antigos,

Somos mártires da verdade educada,

Somos paladinos dos códigos!

 

Hoje já não brandamos espada,

Atiramos fagulhas ardentes de palavra,

E refugiamo-nos no ninho ocidental

Onde ser tudo e não ser nada é ideal.

 

Nos dias que passam,

Ninguém lhes dá doutrina,

Ninguém lhes dá cornada,

Ninguém lhes diz nada.


JOHNNY SALVATORE

Hoje sou tudo no nada que sou, amanhã serei outro.

2 thoughts on “V O Z

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.