TRUE-ULTRA

Today, I e-published my first title and a wave of terror washed over me.
I do not feel quite ready for it. I’m an admirer of so many, and I don’t feel worthy of having people purchase my book just yet. It’s just not something I feel okay with, due to my inexperience and general inadequacy.

Still, I feel like I’ve created something special in this humble manuscript. Something worth reading, but not necessarily commercialising.

As such, I will un-publish the book and open it to reading in this post, in PDF format, free-for-all. I will, however, also provide a donate button bellow, may you decide I’m worthy of such honour and trust (you decide the amount). What I receive will be used for the purposes previously mentioned – maintaining the website and eventually, a groovy poetry-chilling podcast.

Thank you,
and sorry.


True Ultra – The Book


Donate with PayPal

Advertisements

Criticism: spider eggs and self-worth.

Following the string of compositions from when I initially started posting, you might sight some of the most primitive and uninspired works of web-poetry around, and along those lines of frozen time, you might even find a generally negative disposition I have towards my work, as well as a strong hostility directed at my own artistic development.
I believe, albeit probably wrong, that any artist of any craft holds little to no love for a product that is finished, because its the process and the journey that must be loved and nurtured, and the final result: an outburst of pain compounded with shame, a linen woven by acid needles that thrust with every line, every paintbrush and every note of a melody. It is natural to hold hatred towards our own creations, not necessarily because they are parts of ourselves we shed into a piece, but because they are willingly given away and lost, they are mirrors within mirrors and whatever they reflect has been traded at the highest cost: the peace we once found in producing them, now inhabits the piece, now… its gone…

And not only is it condensed into the work, it also constitutes an energy that dances around our own, creating a thick mist of unbound chaos, and we rush to perfect it, to alter it and reprise it. It is never done, never complete, it haunts us while it exists, because it could be so much more… and why isn’t it so much more? Why isn’t it the piece that will propel the next century of artists into unrest and endless creativity?

It is necessary to find balance, as with everything. I do not have shame towards my older work, I embrace it, because it allows me to gage how I’ve grown, what I’ve become, it gives me a tangible example of my evolution and the rewards I was able to reap from my effort. But still, I cannot read any of them, or rewrite any of them in any way.
They are foreign to me, the poetic subject has shifted, and my older self that indeed wrote those pieces, has now risen walls of solid isolation and sheltered within them. And the reason I cannot go back to them is relatively simple, as its commonly said – we are our biggest critics – and it serves well to be so, but we mustn’t become our biggest tormentors, striking hot iron into the flesh of our past tenses, attempting to gather enough information that justifies the inaptitude of what we were, and especially, of what we are now.

That is also why I’ve insisted on not trying to become an author at such tender age, not for lack of confidence in my body of work (although that also exists very strongly), but also because that would entail presenting work that would be worth paying for, worth spending time over, worth being read and invested, and my work isn’t there yet, and it won’t be there until every ounce of liquid pride I possess can be applied to such creation, and I understand that this unrealistic concept equals one of chasing geese around a prairie, but it allows me to find peace in my ever-so flawed and inept poems, they are a product of my dedication to a craft that, eventually, might be as shifting and influential to someone, like so many have been to me.

But that is eventually, and meanwhile, I relish in the sensation that any poem I publish today, will be something I cannot read a year from now, and that evolution of the self and its relation to worth, is such a beautiful inner process on its own, one that already compensates any ill-feeling over my own work. I’ve grown and will continue to grow, what else could I ask for?

Why poetry, still?

My letter response a while back, where a dear friend asked me why poetry sounds deeply saddening to him. This was my theory (although I have more theories now, I still stick to this one most times):

 


Since the elder days of lyrical production, poetry has taken shape of shoulders carrying the shadows of human declaration.

From a singular first word of verse to the last sound of its adored stanza, it has been used to spawn nights of joyous dreams, dawns of draping silks, and as a hand moves to slide away those curtains woven of melody: a window, leading to giant sights of exposition, hills of galloping horses hauling our pains, our wounds, whatever we deem worthy to exist in that composition, because it too shall stand to compose us.

That is the level of communication all artistic movements tend to bleed out, those small shreds of emotion that plea for capture, and beg ever-so softly to be replicated, to be laid upon those hills of erosion so they too can taste the winds and streams carving away figures of reality. So they too can dock at those immense seas of versed salt, so they too can be cast upon the shame of their fault. Sharing all our moralities and sorrow, fears and loves, they are the Gods our minds are able to create, our fronts illuminated midst the foggy lighthouses of our fate.

Poetry is sound requesting to be heard, all the while praying that it shall never be truly felt. It holds no message but the one it cannot convey, inhales only the air it cannot attain, and rises ethereal, dodging a volley of arrows aimed at the core it humbly attempts to translate.

And I, narrating the strolls of flowers and their petal waltzes, am reduced to a lonesome grain, carried away, endlessly carried away, each verse another wind-strike, meters and meters of paths along a starless sky, from eons where the sun is blindingly beautiful in its rise, to minutes where it’s just an icy sphere casting upon me the lores of demise. Taken away by blowing agonies, abducted in the desperate glistening of their tears.

What was before an effigy of nature’s claims, is now a valse of linen strings placidly caressing my skin, takes form beneath my ground of insecurity, holds my callous hands, kisses my cracked lips, and signals towards horizons of truth in doubtless figure, wrapping around these hands, and soon dissipates.

Versing is of utmost cruelty, its envy at the rawest state;
Envy of those blooming lotus flowerbeds, breaking the hearts of any deemed beautiful before their reveal. Envy for the melodious birds whose lyrics none can encapsulate. Envy for a world presented to us in all its higher forms, and along those horizons of elevation and the figures representing such painstaking fortune, we do not see ourselves, only, at the rarest of times, glimpses of our verses and melodies along with paintings of our pains. Versing sets boulders ablaze and hauls them at the endless scenario, salvaging anything beautiful enough to stand out from the remains, leaving a wake of all we abandoned at the flanks of those once-sylvan lanes.

It hurts… every time. Doing so in any tangible way…
But what would poetry be if it could not destroy the landscapes it attempts to create…


I’m sorry about the overuse of gerund, it has come to my attention recently that I do use it a bit too much. You can blame Portuguese for that odd habit. 

This is generally the style of my regular prose, even in simple informal communication (such as a letter). I’m not too confident in these, but tell me what you think, I have tons more.


JOHNNY

Tenho para mim. (poesia portuguesa)

Estou feliz de-novo, como tal, a minha poesia está a recuperar. Peço desculpa pela supressão de conectores, estou a tentar usar sonoridades mais brasileiras, sendo que são também mais compactas. Como gosto tanto das duas variantes de Português, pensei, porque escrever só numa?

(Cá em Portugal, chamamos Alfaiates ao que no Brasil se dizem aranhas d’água, pequenos insectos que deslizam sobre águas paradas)

Screen Shot 2018-06-15 at 01.08.56.png


JOHNNY

Queda do Dia em Texto #2

Apoteose

(Pantokrátor)

Um sorriso de escape consegue amolecer o mais duro dos mármores, a genuína beleza iluminada e inocente de dias perdidos a olhar para horas fugitivas. Tempos quase distintos de tanto baterem em paredes tão bonitas, em total paralisia espacial.

Lembro-me de me distraíres com mãos soltas e livros de antigos horrores mitológicos, na borda de uma piscina de luz pura que refletia sobre os teus doces olhos congelados debaixo de grossas lentes contra-sol, em forma circular, misteriosos olhos vidrados de vespa que magnificavam mistérios tão superficiais.

A nossa toalha partilhada de fraco linho, com adornos infantis e antiquados, de moda tínhamos pouco, e usámos pouca moda, pois estava tanto calor à beira daquela massa prateada de cor e desejo, um calor tanto climático como humano, daqueles que se transfere sem fios em soltos risos, baptizámos este calor comolove-wi-fi”, que de amor tinha tanto mas de aéreo tinha tão pouco. Recordo-me da bola insuflável que pairava lentamente em cima de água, sem qualquer dificuldade, uma leveza quase compáravel ao ar que respiramos nesse dia, que nos abraçava em espreguiçadeiras estaladas pelo Sol onde nos deitávamos em pleno comforto, apreciando antigas brisas que sobreviviam aos assaltos dos grandes pinheiros que nos rodeavam. Pinheiros, esses, que choravam pequenos fragmentos das suas folhagens, caindo levemente no meu molhado cabelo preto-corvo, dando óptimas excusas para me tocares em missão quase apoteótica para retirar aquela bela e pequena peça que a natureza produzia. E que peça era essa, e quão bonita dançava, admeio os curtos cantares de chamariz e pequenos sopros de ar que nos rodeavam em tom de inocência quase-eterna, beijando os nossos corpos desnudos como um par de jovens apaixonados, agraciando os raios de Sol com tão ternuroso cumprimento que lhes alimentava a intensidade, em pleno e directo impacto com as nossas peles já quentes de tanto toque, num choque tão térmico como cósmico…

E bonitos eram os dias

  E tão longos que eram.

As garrafas de cerveja reluziam um encantador radial côr de âmbar, com os pequenos traços das bolhas de gás projectados na nossas faces em plena penumbra, marcando novas constelações em movimento dístico. Lembro-me de aquecerem ao Sol, de serem intragáveis, lembro-me de sentir o terrível sabor de cerveja quente na tua boca quando te beijei, mas não me importava, gostava apenas de te beijar.

Quão grande foi o crime de amar numa escala tão local, com a precisão e audácia de um cirurgião, em tão pouco tempo. E serás tu, sempre, a apoteose do meu Verão.

Tu que cais descalço nas duras pedras de dias passados em países frios e continentes infelizes. Eu que de tanto me lembro, e tu que tanto te esqueces dos breves suspiros que partilhávamos com a destreza de antigos guerreiros gregos. Nós que nos envolvíamos em lutas épicas de resignação de quem gostava mais um do outro, de quem conhecia mais as Artes dos homens desconsiderando de uma maneira tão bela as tristes Artes de viver. Nós que bravámos mundos novos em quatro metros à beira de uma piscina, e inventámos tantas estrelas nas pequenas falhas dos raios de Sol, cortados por altas árvores. Nós que rejeitámos o Mundo e entregámos a nossa alma fundida a um Universo que é só nosso, onde a infinitude não nos chega. Nós que, aos quinze, tocávamos sinfonias com os lábios, escrevíamos grandes épicos nas costas um do outro, usando os dedos como canetas vivas e flexíveis, pintávamos quadros mentais que eram não menos que painéis, contando histórias de heróis cuja a única perdição foi ter amado.

Nós que nos perdemos em fracos fundos da vida humana, sedentos por algo que não nos pertence, enfraquecidos por um mundo que nos abate, aquele que rejeitámos, aquele que não é o que criámos. Aquele que está lá, na piscina, magnífica massa prateada com profundos laços de luz, afogado e abandonado pelos destinos da nossa compreensão, assassinado por tão fraca tensão.

Tu que te esqueces da beleza a Sul, escondida em longas planícies que não te encantam por serem tão estranhas.

Eu, que me lembro de tudo, mas já não sinto nada por tanto o ter mastigado em textos perdidos e contextos indignos.

Nós, que nos fundámos e destruímos na divindade de um Verão tão curtamente sentido, numa imortalidade quase triste de seres tão etéreos que só existem nas fantasias que líamos um ao outro, na beira daquela bonita piscina com cheiro químico, forrada de prata e amores que em tanto nos precedem.

E que felizes são as memórias.

Se mais nada, que não nos esqueçamos delas. 

Queda do Dia em Texto #1

Psíque mora num T2

As malhas dos nossos maiores desgostos encontram-se nos antigos e suaves cheiros de uma velha livraria. Cada livro, cada palavra, histórias infinitas de grandes batalhas, amores ancestrais, mistérios congelados em rios secos e desmembrados. Tudo isto, e as maravilhosas vitrines que compõem os nossos sonhos, seduzindo-nos com ideias construídas do que poderíamos ser, consumindo vampirescamente todos os segundos que passamos a ignorar aquilo que já somos, nestes minutos ferozes de fome animalesca, horas monstruosas e viscerais, anos esquecidos de formas tão claras, tão visíveis, nuas num feixe de luz que apenas conseguímos ver de longe, uma cruel visão copiada e colada num bonito postal, que não valerá nada, onde não escreverão nada, apenas guardarão na gaveta do móvel de entrada debaixo do copo das chaves, como medida emergêncial caso algum dia um sobrinho qualquer termine a faculdade. De tantos ciclos perdidos de magia e tantos sentimentos intensamente sentidos, perdi o olhar molécular sobre o mundo que nos rodeia, sendo tudo cada vez mais distante, mais veloz e mais inadequado. Sinto-me tão crítico, existe uma beleza quase infinita nas normalidades e na rotina que sinto perder constantemente, procurando uma viajem de alturas e cambalhotas, a ardente fogosidade de uma tarde ao pôr-do-sol ou de uma noite colorida repleta de grandes espectros e batidas violentas que acaba numa garrafa de vinho no lusco-fusco, à beira-rio. É tão cruel o sentimento do passado, do valor embaciado que dou ao pretérito perfeito, ao que já foi, ao que ainda é, ao gosto amargo de comprimidos engolidos, às flores que me foram oferecidas a cinco de março de dois mil e doze, doces brancas rosas e alguns cosmos cor-de-laranja, paz e calor, mais ou menos como descreveria a nossa mente ao som de Jazz antigo dos quarentas, com arranjos bonitos e vozes caricátas, sons difusos e imagens monocrómaticas.

Sinto falta, especialmente, do espaço que me envolvia, o cansativo e pesado ar de grandes cidades, e um grande amor que nunca conheci, de quem nunca vi a face, mas que vagueava por entre as ruas, comprando cigarros há uma da manhã. Senti-me como se fosse Psiquê, condenado a nunca conhecer o meu verdadeiro amor, mas a habitar com ele, passar nas mesmas ruas, pisar as mesmas pedras, usar o seu perfume e ler os livros que ele mais gostava. Eu era como Psiquê, mas morava num T2 em Lisboa, e não num grande castelo de nuvens e mármore nas ilhas gregas mais obscuras e mais belas. E, em delicadas linhas de pedra fria que percorrem grandes estátuas e antigas figuras, encontrava em forma de paixão uma pequena carta em cursivo:

“Bons tempos João,

Os teus olhos de amêndoa olham para cima

Esperam jactos de neon

Eu que por ti espero,

E desespero,

Porque sem ti o céu é sombrio

E de baixo toco guitarra devagarinho

Em crescendo e sem enredo

Volta para mim, doce antigo

Sê épico comigo.

O teu amor,

**********”

Que fatal, o toque de ultra-amor, ondas que se abatem sobre o românce cruel das grandes Artes, esse que atormenta homens e mulheres desde que o humano aprendeu a sentir. Será? Os nossos maiores feitos são os que mais nos magoam, e nenhum bom homem me dirá que o seu maior sucesso não foi conquistar o coração de com quem está. E menos me dirão que os seus piores tempos não foram de coração partido. Nesta floresta de sentimentos, sento-me num banco de jardim e observo o meu passado: que amei eu? Quem? Uma construção surreal do que quero amar, ou melhor, uma imagem de que consigo fazer tal proeza, ou conceber tal conceito sem o ter sentido ou vivido? E como sei que não vivi, se não o sei sentir? Quem me ensinará? Em ternas noites quentes, quem me beijára a testa, ao som de bossa nova, segurando firme vinho com tons florais e sabor acídico, quem dirá que me ama? Quem acordará ao meu lado? Ainda mais, diria, qual seria a importância de tal coisa, sendo a natureza do tempo tão volátil. Por vezes amamos e não sabemos que o fizemos, por vezes nunca amámos até o fazermos, embora julgarmos ter amado tantas outras vezes. Será que é único, exclusivo, uma explosão de uma vez só?

O único atríbuto do amor parece ser o de transcender a natureza arrasadora do Tempo e não porque exista estabilidade ou segurança, mas sim por existir tranquilidade e despreocupação, a verdadeira meditação signalamática, uma grande união de duas forças de luz que, em sinergia, determinam tudo, fazem nascer mundos em jardins, em praias, em montanhas. Se Deus existe, terá nascido de amor. Se a Terra foi feita à mão, terá sido feito com amor.

Tanta preocupação, e o meu amor passa nas mesmas ruas que eu, bebe a bica no Sr. Martins, e lê romances nas escadas da praça. Tanto tempo, e ainda não tive tempo de o conhecer. Por vezes sinto-me Psiquê, que mora num T2.


JOHNNY SALVATORE

S E R


Ser algo é a maior das responsabilidades.

Ser, por si só, é uma lança que nos trespassa a espinha.

Sentir que somos ainda mais, isso, é dos sabores mais amargos que a vida nos coloca no prato. Porque ser é sê-lo sempre, é sê-lo todo e não é ser mais nada. Ser terá de o ser, não adianta sair na próxima curva, pois o que tem de ser tem muita força.

O que somos é-nos constantemente atirado em rajadas de mil soldados, embebidas em venenos morosos que nos destroem o espírito com tamanho encanto e precisão, que caímos sobre eles de livre vontade; perdi a conta às vezes em que disse “sou isto” ou “sou aquilo”, mas não sou, não sou nada, sou apenas outro fraco acorrentado a conceitos que em tanto superam a minha essência, e que em simultâneo, em tanto falham descrevê-la.

Se ser fosse uma flecha, a mesma não voaria, nem com a maior tensão da corda, pois ser é um objecto parado, ser não anda, não voa, não plana nem flutua.

Ser é sê-lo sempre, ser é não ser mais nada.

No entando, embora em plena paralisia, ser é tão volátil e difuso, e é em ser que se deposita toda a poesia, ser tem tantas palavras que nunca faltará nenhuma para o descrever.

O meu problema com ser é simples: porque ao ter um problema em ser, sou filósofo, e se aceitar só ser, sou artista. Pior, se não aceitar nem uma nem outra, e não ocupar pensamentos com as banalidades dos conceitos construídos, sou Homem. Nesta miríade de ser, tentar destruír o ser já alimenta ser algo, sendo o meu problema com ser tão grande como pequeno, está lá e não está, ou melhor, é e não é.

Ando então em marcha de pedra, arremessando-me aos ventos e cuspindo em tudo o que se dilata em ser, porque não serei nada, e essa certeza tenho-a no peito, não porque não queira ser mas porque a minha passagem já foi declarada, anúnciada em tantos cantos, líricas de ser-não-ser e até nos jardins e bancos. Cansei-me de ser tanto e não o suficiente, de ser demasiado, de não ser gente, cansei-me de ser!

E neste cansaço que me aconchega – que me diz que nada sou – encontro tão grande conforto, talvez seja o conforto de só ser, pois tão iluminada é a visão de não ser nada, como a ilusão de que chega só ser.

A conclusão que te deixo é então só uma, a de que não ser vale tanto como não vale nada, e que se é para seres algo, tenta que seja algo que não te desfaça a alma.


JOHNNY SALVATORE